2005/09/15

(In)Fidelidades (II)

Pedro e Inês tocaram à porta da casa de João e Ana. Vinham visivelmente bem dispostos e traziam duas garrafas de um bom vinho alentejano e uma daquelas mousses de chocolate especiais que Inês tão bem sabia fazer, com tabletes de chocolate, com a qual os homens se empanturravam ao mesmo tempo que completavam o volume das taças com whisky de 20 anos, zelosamente guardado para a ocasião.

Conheciam-se já há vários anos, desde os tempos da faculdade, em que se trocavam parceiros de experiências sexuais com o interesse e a dedicação de um cientista no laboratório.

A mesa já se encontrava posta, pelo que se iniciou o jantar entre as conversas de actualização das novidades nos mundos de cada casal. Durante a refeição Pedro trocava olhares lascivos com Ana, enquanto João e Inês se entregavam a jogos de palavras de crescente intensidade erótica, entre piscares de olhos entre as mulheres e piadas mais descaradas dos homens.

Quando João pousou a bandeja dos cafés na mesa, já no fim da refeição, aproximou-se de Inês, tocando as costas da cadeira em que esta se encontrava sentada. Colocou-lhe as mãos sobre os ombros, por trás, e aproximou o nariz do pescoço dela, sem a tocar. O contacto da cara dele com os cabelos dela acelerou-lhe o ritmo da rapariga. Ele aspirou lentamente o aroma que emanava do corpo dela e segredou-lhe ao ouvido: “Estás cada dia mais irresistível”, ao mesmo tempo que descia as mão ao longo das costelas, lentamente, observando o tecido que se erguia suavemente na curva dos seios.

Ao mesmo tempo, apenas alguns metros ao lado, Ana sentara-se ao colo de Pedro e deixava pender de entre os dentes uma tira comprida de manga, enquanto lhe rodeava o pescoço com os braços. Ele segurou a outra ponta da fruta, entendendo rapidamente o propósito da amiga, e começou a encurtá-la lentamente, até que os seus lábios se tocaram, suavemente, frescos e açucarados. Nessa altura já as mão dele seguravam a parte inferior dos seios dela, à espera do sinal da rapariga para tomarem de assalto os mamilos em erupção.

Foram-se despindo sem pressas, dois a dois, enquanto se encaminhavam para cada um dos quartos da casa, onde se amaram sem reservas mentais pela presença de estranhos.

A certa altura, quando ambos os espaços se encontravam silenciosos, João entrou no quarto onde a sua mulher se encontrava e, num gesto já largamente conhecido, trocou de lugar com Pedro. Fodeu furiosamente com Ana, que lhe gritava incessantemente: “Tu é que sabes como é, mostra-me, mata-me de prazer, dá-me, dá-me”, terminando a sessão num orgasmo descontrolado, ampliado pela adrenalina da posse mental.

Já no final da noite, de novo os quatro sentados na sala a tomar novo café, Pedro estava a falar: “Sabem que eu li ontem que há apenas 200 anos atrás, em pleno século XXI, o simples facto de um dos parceiros de um casal foder com outra pessoa, nem que fosse um amigo da casa, era motivo de divórcio? O único tipo de relação sexual aceite era entre os membros do casal. Bem, isto nos países de inspiração cristã, que era a religião dominante nos países mais desenvolvidos. Mas nos outros a mulher não podia foder com outro que não fosse o seu protector.”

“Quer dizer”, acrescentou Ana, “não tinham a noção de que o sexo é mais um motivo de reunião de amigos e uma forma privilegiada de relacionamento?”.

“É verdade”, responde Pedro, “ o que levou a que a troca de parceiros passasse a ser cada vez frequente, conduzindo a complicados processos de partilha de filhos e divisão de objectos que durante algum tempo se reuniam em conjunto.”

“Gente estranha, os pais dos nossos avós...”

6 Comments:

At 11:27 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Great blog you have here! Very interesting stuff

SHOCKING Payday Loans
blog. It covers MUST SEE stuff about Payday Loans.
Come and check it out if you dare ;-)

 
At 6:03 da tarde, Blogger (in)confessada said...

genial...

bjo confesso

 
At 1:02 da tarde, Blogger -pirata-vermelho- said...

Você tem graça express.



(Ponha a funcionar aquele sistema de letras que, sendo chato, filtra os programas invasivos)

 
At 1:03 da tarde, Blogger -pirata-vermelho- said...

(...agora reparo) O que é que fidelidade tem a ver com esta sua brilhante 'proposta'?

 
At 4:07 da tarde, Blogger Neptuno said...

o sexo é um optimo motivo acredita

 
At 4:08 da tarde, Blogger Neptuno said...

o sexo é um optimo motivo acredita

 

Enviar um comentário

<< Home